sábado, novembro 27, 2010

A propósito de...


A propósito da conjuntura Cultural, Política e Económica actual, veio-me à memória o relato, que li, sobre um acontecimento de 1915, quando Amadeo de Souza Cardoso, nosso pintor maior do Modernismo, depois de ter exposto as suas obras e lhe terem sido tecidos rasgados elogios em Paris, Londres, Berlim e Chicago, resolveu fazer uma exposição no Porto. O resultado foi um desastre; os “críticos” jornalistas, disseram os maiores horrores do autor e da sua obra e que esta “ofendia e envergonhava” o nosso Povo. Saiu então em sua defesa, na Orpheu 2 Almada Negreiros, com um texto que é um elogio tão grande, que não conheço outro de tal generosidade, dirigido a algum dos nossos Pintores. Almada dizia “de todas as nossas conquistas e descobertas apenas sobreviveu a imbecilidade e daí vinha a indiferença espartilhada, da família portuguesa a convalescer à beira mar incapaz de deslocar as mãos de cima da barriga, quando um Português genial desce da Europa condoído da Pátria entrevada, para lhe dar o parto da sua inteligência”.Amadeo era assim a primeira descoberta de Portugal na Europa do Sec.XX, no entanto, ao expor em Portugal, a imprensa classificara a sua obra de obscena e monstruosa e recomendavam os “inteligentes” o internamento do pintor, mostrando assim a ignorância dessa imprensa, e como ela gerava ódios.
Olhando os dias de hoje, passados que são 95 anos, Portugal continua convalescente, de braços cruzados sobre a barriga, onde a mediocridade sobrevive, graças à intoxicação enorme que é produzida por TVs, onde proliferam, concursos de todas as espécies, as lutas intestinais do futebol, novelas e programas de fofocas e misérias, transformando este Povo em maça amorfa, que somente vibra, ou com a vitoria do seu clube ou com a derrota do adversário que mais odeia, em qualquer vertente. Esta estratégia de alguns meios de informação, subverte totalmente a nossa sociedade, criando valores onde eles não existem e sonegando os existentes. Continuamos 95 anos depois, a admirar a aparência sem conseguirmos ver a essência. Continuamos a apreciar a mediocridade persistente e a recusar o que é inovador. Neste estado apático surgem sempre figuras nas mais variadas áreas e, assistimos a situações caricatas, que só pelo facto de não termos memória, podem prevalecer. Falamos de necessidade, mas continuamos a ir de férias para destinos exóticos, com recurso ao crédito. Falamos de divida mas continuamos a recorrer ao crédito para vivermos sem restrições. As Autarquias falam do Governo quando a maioria delas está endividada até à exaustão. O Governo fala de contenção, mas a despesa supérflua continua. Ouvimos um Presidente da República apelar ao consenso e tolerância dos políticos, como se ele o não fosse e, quando foi 1º Ministro, não conseguiu nenhum consenso e foi totalmente intolerante, até na carga brutal na Ponte sobre o Tejo para reprimir o “buzinão”.Ouvimo-lo falar da dívida, como se fosse coisa dos outros, quando foi ele, enquanto 1º Ministro, o responsável pelo aumento brutal dessa mesma dívida. Continuamos a ser um Povo de braços cruzados sobre a barriga, culturalmente inadaptado ao que é seu, que não cultiva os seus valores e absorve toda a mediocridade exterior. Continuamos a recusar o que devíamos preservar. Estamos num beco sem saída, inertes à espera que um qualquer desfibrilhador nos restaure a batida cardíaca.

Crónica de Silvestre Raposo para Radio Pax

quarta-feira, agosto 25, 2010

terça-feira, agosto 03, 2010

quinta-feira, junho 24, 2010

"riquezacultural" Centro de Estudos e Divulgação Cultural do Baixo Alentejo

Notícia Radio Pax

Silvestre Raposo eleito presidente da "riquezacultural"
Na última segunda-feira foram eleitos os primeiros Órgãos Sociais da recém criada Associação Cultural, denominada "riquezacultural" - Centro de Estudos e Divulgação Cultural do Baixo Alentejo.
A Associação tem a sua sede social na Vidigueira.
Silvestre Raposo é o presidente da Direcção e Carlos Beato do Conselho Fiscal. A Assembleia Geral é presidida por Manuel Monge.
Em declarações à Rádio Pax, Silvestre Raposo sublinhou que este primeiro mandato é de “instalação”. O Centro de Estudos pretende criar, na sua sede, uma Biblioteca e espaços de convívio, artes plásticas, multimédia, escultura, cerâmica e música.
Silvestre Raposo quer lançar, entre outras actividades, concursos literários, de artes plásticas, multimédia e uma Bienal de Artes.
Órgãos Sociais
Assembleia Geral
Presidente- Manuel Soares Monge
1º Secretário- Manuel Luís Narra
2º Secretário- Nelson Brito
Direcção
Presidente- Silvestre Raposo
Vice Presidente- António Inverno
Secretário- José Pedro Fernandes
Tesoureio- Ana Paula Maia
Vogal- José Francisco Colaço
Vogal- Florival Baioa
Vogal- Ana Paula Figueira
Conselho Fiscal
Presidente- Carlos Beato
Secretário- Hélder Guerreiro
Relator- Miguel Góis

domingo, abril 25, 2010

Abril todos os dias

era uma manhã de abril.
timido sol espreitava no rio,
multidão curiosa espreitava também.
Cravos de mão em mão passavam.
Sonhos sairam à rua apinhados em cravos e espingardas.
A longa tarde só um segundo durou...
e quando, nos olhos da Liberdade o sol se escondia,
os cravos choravam de alegria.

terça-feira, março 30, 2010

Há por aí...

Há por aí...
…bandos de inergumenos, que nunca nada fizeram na vida, sempre viveram gordos e anafados de esmolas ou heranças, que alguns tios ricos lhes vão dando, que ainda não perceberam a sua situação de mendicidade e resolvem escrever mentiras, sobre outras pessoas, que toda a vida trabalharam e se honram de tal facto.
Proliferam por aí em todo o lado, até aqui neste recanto do Alentejo surge gente dessa e, algum em especial, até aprendeu a fazer um Blog para nele escrever mentiras e ao faze-lo colocar-se numa situação, cuja sua parca inteligência, não lhe permite ver o limite da sua Liberdade, arriscando-se a que os visados, tomem uma atitude…
…sentá-lo na cadeira da foto.

sexta-feira, dezembro 04, 2009

Dezembro 09 sem retoques..

é Dezembro, ontem o céu estava assim, aqui mesmo em frente de mim, o ano está a terminar, muitas coisas se passaram, muitas outras ficar por passar, o povo continua iludido, que o seu clube vai ganhar, sem dinheiro, pedem empréstimos para irem passear, eheheh hoje apetece-me brincar...
Foto de Silvestre Raposo

segunda-feira, novembro 30, 2009

Serpa

Foto de Silvestre Raposo

sábado, novembro 21, 2009

segunda-feira, novembro 09, 2009

Faz 20 anos que caiu um Muro, mas outros continuam...porquê?

Fiz esta pintura já lá vão uns anitos, e foi ficando comigo, até que, no ano passado mudou de dono. O Muro de Berlim faz hoje 20 anos que caiu, mas há ainda tantos outros Muros neste mundo e que tardam em cair... a mensagem desta minha tela continuará actual, até cair o último muro.